Planeta Sustentável

sexta-feira, 31 de maio de 2013

CURIOSIDADES DA IDADE MÉDIA




 - Tais Luso de Carvalho

A FALTA DE HIGIENE

Não é porque a Europa seja o continente mais antigo em poder ocidental, que seus hábitos na Idade Média tenham sido louváveis. Entre os séculos V e XVI – mais ou menos entre 476 e 1453 houve um período em que a Europa não primava pela limpeza, ou por hábitos saudáveis; não existia sistema de saneamento básico, nem sequer preocupações com esse detalhe. Ao longo dos séculos, esse período, que une a Antiguidade e a Idade Moderna, foi rotulado como Anos Escuros e Idade das Trevas. A higiene pessoal se resumia em lavar as mãos, rosto e passar um pano nos dentes. E outros tantos métodos rudes.

BANHEIROS...

Ao amanhecer, os dejetos dos penicos eram lançados janela afora, emporcalhando um pouco mais as ruas. À noite, varas imensas de porcos percorriam as cidades mais populosas, conduzidas por seus tratadores: tinham a função de fazerem a faxina urbana.
Este foi um dos fatos com que a Europa no século XIV tivesse uma das maiores populações de ratos do planeta e que vieram a gerar a famosa  peste negra, responsável pela morte de um terço da população.

DENTES...

Escova de dentes nem pensar! Foi produzida na China em 1490, com cabo de madeira e cerdas de porco. Na Europa só chegou depois de um século. As escovas, por serem muito caras, eram divididas pela família inteira. Além disso, devido a umidade, os pelos mofavam e enchiam as bocas de fungos e bactérias. As pastas de dentes eram preparadas à base de ervas aromáticas, como a sálvia. 

BANHOS E AS FRALDAS...

Os medievais não eram nada chegados a banhos: era preparada uma grande banheira com água quente. O chefe da família era o primeiro, depois os outros homens da casa – por ordem de idade. E, depois as mulheres. As crianças eram as últimas, terminando com os bebês. Daí, podem ver a cor da água e a transmissão de doenças...

Os leques eram usados não por causa do calor, mas sim para afastar os maus cheiros exalados que vinham debaixo dos vestidos das mulheres, pois as partes íntimas nunca eram lavadas. Se formos a Versalhes, veremos que o palácio - talvez o mais importante da França - não possui banheiros.

Os casamentos realizavam-se no início do verão, pois o primeiro banho do ano dava-se no mês de maio – daí a tradição de que maio é o mês das noivas. E o ramalhete de flores servia para dar um cheirinho floral à ocasião...

Entre os séculos 14 e 17, mais particularmente na Inglaterra e na França, as mulheres quando iam para grandes festas usavam vestidos com muita armação de arame, cinco, seis camadas e dessa forma não conseguiriam utiliza o toilette adequadamente. Por isso era comum o uso de fraldas entre as senhoras que frequentavam a alta sociedade Europeia. Dançavam de fraldas!
Esse hábito exalava um cheiro insuportável, e as obrigava a usar uma grande quantidade de perfumes e saches no meio das roupas. A pompa e a gala dos grandes eventos do início da Idade Moderna também tinham seu preço... Os europeus costumavam dizer: um banho ao nascer; um banho ao morrer!

PERUCAS

As perucas foram lançadas por Luís XIII, da dinastia dos Borbons. Com menos de 30 anos Luís XIII já era careca. Ao fazer uso das perucas, os indivíduos estavam livres do desconforto dos parasitas - piolhos e pulgas - que naquela época abundavam nos cabelos da população europeia. Faziam a festa de cabeça em cabeça! 

Devido à tanta falta de higiene e às guerras, a expectativa de vida na Idade Média não chegava a atingir os 35 anos de idade. Mas todos os períodos enriqueceram nossa história, e  não há como negar que a Idade Média - mesmo com esse período de obscurantismo -,  deixou feitos e  heranças muito boas para todos.
Mas não foi moleza: deve ter sido dura a mão!!

 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário