Planeta Sustentável

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Textos sobre os Incas -Turma 702


Gabriel da Silveira Gonçalves

Os Incas viveram aproximadamente de 3000 a.C. a 1500 d.C. no Peru, Chile e Bolívia, mais especificadamente na Cordilheira dos Andes.

Esse povo tornou-se conhecido em todo o mundo pela sua cultura, pelos objetos de ouro que confeccionavam, pela utilização de pedras em suas obras tais quais estradas nas montanhas, canais de irrigação, etc. Os Incas eram politeístas, ou seja acreditavam em vários deuses como:

Deus Inti : era o deus do sol, era o deus mais popular do império Inca, sendo adorado em vários santuários.

Viracocha: Viracocha era o mestre do mundo. Surgiu das águas e criou o Céu e a terra.

Wacon: deus maligno e cruel, era o responsável pela seca na costa do Peru. Etc.

A sociedade inca era dividida em três grupos: os yanaconas, que eram escravos selecionados para proteger seus senhores; os nobres que eram membros da família do Inca ou descendentes dos chefes de clãs; e os sacerdotes, denominados de ‘’Grande Inca’’,  realizavam culto ao sol.

O restante do povo era responsável pela produção de alimentos através da agricultura.A produção dividia-se em três partes: uma destinada ao culto do sol, uma ao Inca e a outra à comunidade.

No comércio não era utilizada nenhum tipo de moeda, mas sim nas feiras era de costume trocas alimentos por outros alimentos ou receber alimentos em troca de serviços prestados.

O chamado’’Vale Sagrado dos Incas’’ localiza-se Nas cidades de Pisac e Machu Picchu, no Peru, prolongando-se por mais de 100km.

                                                         Culinária

A comida inca consistia principalmente de vegetais, pães, bolos, mingaus de cereais,e carne.comumente de caititus(porcos selvagens) e de lhama.Apesar da dieta dos Incas ser muito variada, havia muitas diferenças entre os alimentos consumidos pelos diversos fatores da sociedade.

Os nobres e a família real se alimentavam muito do que o povo. Na mesa do Inca não podia faltar carne, mas era escassa para o povo. Ele comia carne de lhama, de vicunha, patos selvagens,rãs,caracóis e peixe.

                                                         Vestuário

O homem usava uma túnica sem mangas que descia à altura do joelho e às vezes uma pequena capa. A mulher tinha diversas roupas que a cobriam integralmente e frequentemente usavam sandálias de couro. Nas estações mais frias todos usavam longos mantos de lã sobre os ombros presos por alfinetes.

Os homens usavam muito mais jóias que as mulheres. Os mais ricos usavam pulseiras de ouro e brincos enormes, quanto maior o brinco mais importante era essa pessoa que o usava.

 

Ana Beatriz

No seu apogeu, o império possuía cerca de milhares de quilômetros de estradas, que eram  percorridas por  corredores a  serviço do  governo, que se  revezam levando e trazendo  informações e  produtos das  várias partes  do  interior  para  a  capital e  vice –versa. Em apenas duas semanas, uma ordem do imperador era transmitida por toda a extensão do  império. Entre as principais cidades do Império inca estavam Cuzco e Machu Picchu. A cidade de Cuzco , a  capital  do Império , era  famosa  por  suas  construções planejadas, seus  templos decorados e sua ruas movimentadas orados e sua ruas movimentadas.   Os incas tinham um  agricultura  desenvolvida; utilizavam um  sistema  de  irrigação por  canais e uma  técnica agrícola que se  aproveitava de  terraços cavados nas  encostas das  montanhas (sistema   de terraços). Os camponeses constituíam a maioria da população. Cada aldeia era formada por  um  conjunto de famílias camponesas unidas  por  laços  de parentesco que  recebia o  nome  de  ayllu; O  chefe  de  ayllu era o kuraka . Os  habitantes do  ayllu plantavam milho, feijão, batata e pastoreavam os lhamas e  as  alpacas (animal  de  carga  semelhante  ao  lhama).          

 

 

Jean

A civilização.

A civilização inca foi o resulta de uma sucessão de culturas andinas pré-colombianas e um

Estado-nação, o Império Inca ( Tawantinsuyu em quíchua: As Quatro Partes do Mundo) que existiu na América do Sul de cerca de 1200 até a invasão dos conquistadores espanhóis e a execução do imperador Atahualpa em 1533.

O império incluía regiões desde o extremo norte como o Equador e o sul da Colômbia, todo o Peru e a Bolívia, até o noroeste da Argentina e o norte do Chile. A capital do império era a atual cidade de Cusco (em quíchua, "Umbigo do Mundo"). O império abrangia diversas nações e mais de 700 idiomas diferentes, sendo o mais falado o quíchua.

Ribeiro, 1975 1 considera esse padrão de organização social, que denomina de "império teocrático do regadio", semelhente aos formados há mais ou menos dois mil anos na região Mesopotâmia ou às civilizações que se desenvolveram na Índia e China mil anos depois e às civilizações Maias e Astecas na meso-américa. Segundo esse autor, esse tipo de formação imperial caracteriza-se pela tecnologia de irrigação (regadio), desenvolvendo sistemas de engenharia hidráulica, agricultura irrigada (exceção talvez dos Maias que apenas possuíam o domínio do transporte das águas), metalurgia do cobre e bronze, técnicas de construção (com deslocamento e cortes de pedras até hoje desconhecidos), notação numérica (quipos), escrita ideográfica (no caso dos astecas) e técnicas de comunicação. Devido ao seu governo centralizado, a organização social do império inca é freqüentemente comparada àquela idealizada por regimes socialistas .

A história.

A sociedade inca desenvolveu-se a partir do século XII, na cordilheira dos Andes na América do Sul, englobando uma série de povos assimilados no decorrer de um longo processo.

No século XIV, em seu auge, encontravam-se sob poder inca cerca de 20 milhões de pessoas, espalhadas por um vasto território, que englobava terras dos atuais Peru, Equador, Bolívia e norte do Chile.

O poder era centralizado na figura de um soberano, denominado inca ("o filho do sol"), que detinha a posse das terras, riquezas, minas e rebanhos. Com ampla autoridade, ele era considerado quase um deus, ocupando a posição de maior prestígio naquela sociedade. Os altos funcionários e os sacerdotes, geralmente membros da família do inca, também detinham grande poder e riquezas.

Moeda.

Os incas não usavam dinheiro propriamente dito. Eles faziam trocas ou escambos nos quais mercadorias eram trocadas por outras e mesmo o trabalho era remunerado com mercadorias e comida. Serviam como moedas sementes de cacau e também conchas coloridas (mullu), que eram consideradas de grande valor.

Caça.

Os incas usavam o arco de flechas e zarabatanas para caçar animais como cervos, aves e peixes que lhes forneciam carne, couro e plumas que usavam em seus tecidos. A caça era coletiva e o método mais usual era de formar um grande círculo que ia se fechando sobre um centro para onde iam os animais.

Religião.

Os Incas eram extremamente religiosos e viam o Sol e a Lua como entidades divinas às quais suplicavam suas bençãos, fosse para melhores colheitas, fosse para o êxito em combates com grupos rivais. O deus Sol (Inti) era o deus masculino e acreditavam que o Rei descendia dele. Atribuíam ao deus Sol qualidades espirituais, transmitidas à mente pela mastigação da folha de coca, daí as profecias que justificaram a criação de templos sagrados construídos nas encostas íngremes das montanhas andinas.7

Os incas construíram diversos tipos de casas consagradas às suas divindades. Alguns dos mais famosos são o Templo do Sol em Cusco, o templo de Vilkike, o templo do Aconcágua (a montanha mais alta da América do Sul) e o Templo do Sol no Lago Titicaca. O Templo do Sol, em Cusco, foi construído com pedras encaixadas de forma fascinante. Esta construção tinha uma circunferência de mais de 360 metros. Dentro do templo havia uma grande imagem do sol. Em algumas partes do templo havia incrustações douradas representando espigas de milho, lhamas e punhados de terra. Porções das terras incas eram dedicadas ao deus do sol e administradas por sacerdotes.

Os sumo-sacerdotes eram chamados Huillca-Humu, viviam uma vida reclusa e monástica e profetizavam utilizando uma planta sagrada chamada huillca ou vilca [1] (Acácia cebil) com a qual preparavam uma chicha de propriedades enteógenas que era bebida na "Festa do Sol", Inti Raymi. A palavra quíchua Huillca significa, simplesmente, algo "santo", "sagrado".

Vestimento.

O homem inca usava uma túnica sem mangas que descia à altura do joelho e às vezes uma pequena capa. A mulher inca tinha diversas roupas que a cobriam integralmente e frequentemente usavam sandálias de couro. Nas estações mais frias todos usavam longos mantos de lã sobre os ombros presos por alfinetes na frente.

Os incas gostavam de se adornar. Quanto mais ricos e elaborados os tecidos mais dispendiosos e caros, e acabavam por demonstrar o nível social do usuário.

Os incas usavam seus gorros de lã com cores tribais que designavam-lhes as origens.

Os homens incas usavam muito mais joias que as mulheres. Os mais ricos usavam pulseiras de ouro e brincos enormes, quanto maior o brinco mais importante era a pessoa que o usava. Os guerreiros usavam colares feitos com os dentes de suas vítimas.

Medicina.

Os incas fizeram muitas descobertas farmacológicas. Usavam o quinino no tratamento da malária com grande sucesso. As folhas da coca eram usadas de modo geral como analgésicos, e para diminuir a fome, embora os mensageiros Chasqui as usassem para obter energia extra. Outra terapia comum e eficiente era o banho de ferimentos com uma cocção de casca de pimenteiras ainda morna.
 
 
Textos enviados pelos alunos da turma 702

Nenhum comentário:

Postar um comentário